Tecnologia

Spotify sofre processo de R$ 5 bilhões por direitos autorais

Spotify não quis comentar o assunto

Spotify não quis comentar o assunto
Christian Hartmann/File Photo/Reuters

A empresa de transmissão de música Spotify foi processada pela Wixen Music Publishing na semana passada por alegadamente usar milhares de músicas, incluindo as de Tom Petty, Neil Young e o Doors, sem licença e pagamento à editora de música.

A Wixen, que tem a licença exclusiva de músicas como "Free Fallin" de Tom Petty, "Light My Fire" da banda Doors, (Girl We Got a) Good Thing do Weezer e obras de cantores como Stevie Nicks, está buscando danos no valor de pelo menos R$ 5,1 bilhões (US$ 1,6 bilhão).

A Spotify não obteve uma licença direta ou obrigatória da Wixen que permitiria reproduzir e distribuir as músicas, disse o processo, apresentado em um tribunal federal de Califórnia.

A Wixen também alegou que a Spotify terceirizou seu trabalho para um fornecedor de serviços de licenciamento e royalties da Agência Harry Fox, que estava "mal equipado para obter todas as licenças mecânicas necessárias".

Spotify não quis comentar.

Em maio, o Spotify, com sede em Estocolmo, na Suécia, concordou em pagar mais de R$ 43 milhões para encerrar uma ação coletiva alegando que a empresa não pagou royalties por algumas das músicas que disponibiliza aos usuários.

O valor do Spotify, que está planejando listar ações em bolsa neste ano, cresceu cerca de 20% nos últimos meses, para pelo menos US$ 19 bilhões.