Esportes

UCI inocenta Peter Sagan cinco meses após desclassificação na Volta da França

Horas antes de uma audiência na Corte Arbitral do Esporte (CAS, na sigla em inglês), a União Ciclística Internacional (UCI) decidiu encerrar nesta terça-feira a disputa com o ciclista eslovaco Peter Sagan, eliminado da Volta da França sob a acusação de ter acertado uma cotovelada no rival britânico Mark Cavendish.

A entidade absolveu o atleta ao afirmar que Sagan não acertou o adversário de forma intencional no sprint final da quarta etapa da Volta da França deste ano. A etapa foi disputada há cinco meses.

Dono de três títulos mundiais e vencedor de algumas etapas da tradicional competição nos últimos anos, Sagan foi desclassificado de forma sumária pela organização.

Na ocasião, a equipe de Sagan apelou da decisão para manter seu atleta ao menos até o fim da competição. Mas a CAS negou o pedido. O incidente também trouxe consequências para Cavendish. O ciclista britânico sofreu uma forte lesão no ombro e precisou abandonar a competição.

Nesta terça, porém, o caso ganhou uma reviravolta. De acordo com a UCI, os vídeos agora disponíveis mostram que Sagan não acertou o rival de forma intencional. "Levando em consideração os materiais submetidos à audiência da CAS, incluindo o material de vídeo que não estava disponível na época da prova, as partes concordaram que o choque foi um acidente, sem intenção", disse a UCI, em comunicado.

O presidente da UCI, David Lappartient, afirmou que a entidade "vai tirar lições" do episódio de desclassificação de Sagan. Ele disse que pretende implantar uma comissão com acesso aos vídeos durante as principais competições do calendário da UCI na próxima temporada.