Esportes

SÃO SILVESTRE: FRAUDES ACONTECEM DESDE 2014

Olá corredores! Os alunos da assessoria de imprensa Run Up, de Sorocaba, copiavam os números de inscrição da São Silvestre desde 2014, pelo menos.

O Bora Correr pesquisou no site Fotop, que faz o registro fotográfico de diversas corridas de rua, e descobriu clonagem de número de inscrição em 2014, 2015, 2016, além do caso mais conhecido e recente de 2017.

Em 2014, o número utilizado na fraude foi o 22466, em nome de Gunther. Em 2015, o número foi o 24873, em nome de Paula. Em 2016, o número foi 6231 que estava em nome de Marco.

Vejam as fotos:

2014

2015

2016

A Fundação Cásper Líbero, que é a proprietária e organizadora da São Silvestre, já informou que está estudando medidas legais contra os fraudadores. Segundo o Código Penal, os espertinhos podem ser enquadrados no crime de falsa identidade:

"Art. 307 – Atribuir-se ou atribuir a terceiro falsa identidade para obter vantagem, em proveito próprio ou alheio, ou para causar dano a outrem:
Pena – detenção, de três meses a um ano, ou multa, se o fato não constitui elemento de crime mais grave."

Com a comprovação da fraude em 4 anos seguidos, uma prática reiterada, portanto, os corredores que clonaram o número de inscrição também podem responder por estelionato.

A Yescom, que é a empresa responsável pela parte técnica da prova, informou que já baniu a assessoria Run Up de todos as provas que organiza. O mesmo será feito com os fraudadores, assim que forem identificados.

Já a Run Up, de Sorocaba, divulgou uma nota em que afirma repudiar qualquer prática antiética e antidesportiva, e que já está em contato com os organizadores do evento para retratação e reparação dos danos causados.