Esportes

Ramiro ressalta confiança em Bressan para a final da Libertadores

Volante deu força ao amigo, que deverá ser titular na quarta-feira Crédito: Cristiano Munari / Especial CP

O volante Ramiro é no atual elenco do Grêmio quem mais conhece Bressan, que será o substituto de Kannemann, suspenso, na final da Libertadores contra o Lanús. Companheiro do zagueiro desde os tempos de categoria de base no Juventude, Ramiro afirmou nesta segunda-feira que o grupo tem plena confiança de que o Tricolor não vai sentir a ausência do titular na decisão desta quarta-feira.

“A gente não costuma lamentar as perdas. Ainda mais em um momento como esse. Temos de enaltecer o grupo, que tem jogadores com qualidade”, disse Ramiro.

Ramiro seguiu dizendo que o zagueiro e amigo Bressan está pronto para substituir Kannemann. “Conheço ele desde os meus 11 anos. Lá se vai mais de uma década que dividimos o vestiário. É um amigo que tenho além do futebol. Ele está preparado. É um atleta que se dedica muito. Está todo dia se preparando para esse tipo de oportunidade e agora é a hora de colocar para fora todo o potencial que tem e se dedicar ao máximo, que tenho certeza que dará tudo certo”, afirmou o volante.

Marcação no Lanús

Depois de um primeiro tempo com dificuldade, o Grêmio assumiu o controle do primeiro jogo da final na Arena ao adiantar a marcação e dificultar a saída pelo chão do Lanús. Ramiro ressaltou que o Tricolor conseguiu neutralizar o time argentino ao fazer isso, mas fez mistério ao falar sobre a estratégia para a partida de volta.

“Eles têm como característica essa saída de jogo até usando o goleiro quase como um goleiro linha do futsal. No segundo tempo a gente conseguiu neutralizar essa saída de bola, que é uma característica deles. A gente, como elenco, vai adotar um método que acredita que seja o ideal para ir na Argentina e trazer esse título”, despistou Ramiro, que vê como normal a pressão que a torcida do Lanús irá exercer na Argentina.

“Falando de futebol argentino, a gente já tem diversos exemplos de que eles têm torcida vibrante, presente e sanguínea. Estamos preparados. É uma final de libertadores entre Brasil e Argentina, clássico. Temos de ir lá e fazer o nosso trabalho”, finalizou.