Esportes

Quem é o centroavante brasileiro que ‘quebrou’ mercado do Fifa 2018

Ele existe: Cristiano faz sucesso também na vida real Ele existe: Cristiano faz sucesso também na vida real Divulgação/Kashiwa Reysol

Se você ainda não ouviu falar de Cristiano, atacante, de 1,83 metros, goleador, provavelmente você não é um jogador de Fifa. O motivo: de um dia para o outro, ele se tornou um dos atletas mais conhecidos e mais caros do game em sua posição.

Intrigado com essa situação, o R7 procurou o jogador do Kashiwa Reysol do Japão para comentar sobre a atual fase na carreira e a popularidade no mundo dos games.

Nascido em Campo Mourão, no Paraná, o primeiro clube profissional do jogador foi o Coritiba. Hoje com 30 anos, acumula passagens por Adap/Galo, Marcilio Dias, Rio Claro, Chapecoense, Metropolitano e Juventude, no Brasil.

Em 2012 começou a aventura internacional no Red Bull Salzburg, da Áustria, e depois passou pelos japoneses Tochigi e Ventforet Kofu, até chegar ao Kashiwa Reysol — o jogador já soma 16 gols e 11 assistências e vive um “momento feliz e importante” na carreira, conforme relata.

Entenda o sucesso dele no Fifa 18

A dúvida surgiu em um dos vários grupos de discussão sobre o FUT (Fifa Ultimate Team), que é o modo de jogo em que o gamer pode comprar e vender jogadores para a montar o seu próprio time. Um internauta levantou a seguinte questão: “Alguém me explica? Como esse cara está com um preço de 100k (100 mil coins)?”. Prontamente veio a chuva de comentários. “Eu joguei com ele! Top! Melhor que Mbappé, Gabriel Jesus e Ibrahimovic!”

Jogador que já foi avaliado em mais de 200 mil coins, hoje vale cerca de 109 mil Jogador que já foi avaliado em mais de 200 mil coins, hoje vale cerca de 109 mil Reprodução/FutHead

Com a popularidade na plataforma virtual, o jogador começou a ser “estudado” pelos gamers mais conhecidos. O canal Brut4lG4mesBR fez uma análise sobre o jogador e o chamou de “tanque”. “O cara tem 90 de aceleração. Gostei bastante de jogar com o Cristiano”, elogiou o canal, além de exaltar a força física do jogador prata mais caro do game.

Para saber da opinião do próprio jogador, o R7 entrou em contato com o “tanque” e ele comentou sobre essa repercussão que envolveu seu nome em escala mundial.

Confira a seguir os melhores trechos da entrevista:

R7: Em algum momento você imaginou que chegaria a valer mais que grandes estrelas da sua posição no jogo?

Cristiano: Imaginava nada, foi uma surpresa. Foi o torcedor do Kashiwa que me mandou. Foi uma surpresa legal. Sinal de que meu trabalho aqui está sendo bem feito, porque o joguinho atualiza sempre e tem as nossas características. Alguns amigos meus reclamaram de algumas coisas, falaram que o chute está um pouco fraco, que meu chute é mais forte (risos). Mas estou feliz, é uma situação nova e legal.

Quanto às suas habilidades atuais no game, o que você acha? Concorda com tudo? Mudaria algo?

Concordo, sim. É ruim ficar falando de nós mesmos, mas está bom. Os números que colocaram são bem parecidos com a forma que eu jogo. Eu não gosto de ficar me analisando, mas está legal. Não mudaria nada.

Você pensa em voltar para o Brasil? Quais são seus sonhos e aspirações para o futuro no futebol?

Estou bem feliz aqui no Japão. Já são cinco anos aqui e tenho contrato até a metade de 2019 com o Kashiwa Reysol. Já estamos negociando a renovação. Pessoal gosta muito de mim pelo que fiz nesses anos. Fiz bastante gols, sempre tenho jogado. Sou muito feliz aqui. Minha esposa e meu filho gostam muito do país e não penso muito em voltar para o Brasil, não. Em 2016, recebi uma proposta oficial de um clube de ponta do Brasil, mas eu resolvi ficar por gostar do país e tudo o que eu construí aqui. Aqui já tenho minha carreira consolidada, pessoal me respeita muito e minha família é muito feliz aqui, isso pesa. Meu empresário sempre passa que tem alguma sondagem de clubes brasileiros, fico muito feliz.

Como foi seu processo de adaptação ao futebol japonês?

Eu vim do maior clube da Áustria para um clube de Segunda Divisão aqui. No primeiro ano fui bem, fiz bastante gols, dei bastante assistências. Depois fui para um time pequeno da primeira, fui bem também, e aí cheguei ao Kashiwa, um clube grande com muita estrutura, que briga por títulos. E aqui também tenho feito muitos gols. A torcida gosta muito de mim, pessoal do clube me respeita muito, então isso pesa. Construí minha carreira aqui, saí de baixo e sou muito orgulhoso por tudo que tenho conquistado aqui.

Se você tivesse que montar um time para jogar o Fifa qual seria?

Escalaria: Neuer; Daniel Alves, Miranda, Sergio Ramos e Marcelo; Kroos, Iniesta, Coutinho; Neymar, Messi e Cristiano Ronaldo. Eu me deixaria no banco para entrar no segundo tempo e ajudar. Eu, Thiago Silva, Cavani ficaríamos no banco.

*estagiário do R7, sob supervisão de André Avelar

Atacante Cristiano ficou de fora na própria seleção ideal do game Fifa 2018 Atacante Cristiano ficou de fora na própria seleção ideal do game Fifa 2018 Reprodução/FutHead