Esportes

O Corinthians se supera. E vence PSV nos pênaltis. Dourado mais perto

Reprodução

O Corinthians demonstrou a importância de um esquema tático definido e jogadores comprometidos. O time de Fábio Carille começa 2018 da mesma maneira que terminou 2017. O 4-1-4-1 que deu o título brasileiro também foi eficiente para travar o líder do Campeonato Holândes, o PSV. 1 a 1 no tempo normal, com o gol do time europeu nos últimos dez segundos da prorrogação.

Nos pênaltis, Caíque confirmou ser uma grande promessa. Defendeu a cobrança de Lammers, jogador que havia empatado a partida. E os brasileiros conseguiram o ponto extra, na estreia da Flórida Cup, em Orlando, Estados Unidos.

Mais do que esses dois primeiros pontos, o importante ontem foi a nova conversa entre a diretoria corintiana e a do Fluminense, que também disputa o torneio. Houve um significativo avanço nas negociações envolvendo Henrique Dourado. O time carioca já aceita negociar seu atacante. Roberto de Andrade está empenhando em realizar o pedido de Carille: quer o atacante como substituto de Jô. Dourado quer jogar no Corinthians e já pediu aos dirigentes do Fluminense sua liberação.

Nas próximas horas, a situação será definida. O quadro está muito mais favorável ao Corinthians. Para agradar a direção do Fluminense, Roberto de Andrade fez questão de anunciar publicamente que o clube não quer mais Rodrigo Scarpa. O jogador entrou na Justiça contra sua equipe.

Andrade disse que, por uma questão de princípios, não contratará o jogador. Mas ele também sabe que o São Paulo tem condições de oferecer muito mais pelo meia. Assim como o Palmeiras. A desistência ficou honrosa.

Do jogo contra os holandeses, vale destacar o primeiro tempo, quando atuaram os titulares. O time está no início do início da temporada. Fisicamente, bem abaixo dos rivais holandeses, já no meio da temporada. A saída de Carille foi a dedicação, o entrosamento ao esquema 4-1-4-1. Empregado com competência para travar o 4-3-3 holandês, muito agudo, mas com buracos importantes no meio de campo.

Dos atletas que Carille perdeu, Guilherme Arana e Jô fizeram muita falta. Pedro Henrique substituiu bem Pablo. Juninho Capixaba tem potencial, mas precisa ser melhor trabalhado. A pedido do treinador, o lateral esquerdo buscava atacar. Mas sem eficiência, confiança, competência.

O esquema tático fez o Corinthians superar o desequilíbrio físico, favorável ao PSV O esquema tático fez o Corinthians superar o desequilíbrio físico, favorável ao PSV Divulgação

Kazim merece um parágrafo só dele. É carismático, forte como um touro, voluntarioso, esforçado. Mas é fraco demais tecnicamente. Incapaz de fazer uma tabela, completar o pivô com eficiência, sem visão alguma de jogo. Ele conseguiu matar contragolpes importantes do time. Não tem a menor condição de ser titular. Demonstrou pela centésima vez.

O Corinhians apostou no seu sistema de marcação e contragoilpes, no primeiro tempo, onde interessa. Com os titulares em campo. Cássio esteve firme e precisou. Porque o PSV tentou aproveitar a vantagem física marcando a saída de bola corintiana. Até retomavam a bola, mas o sistema de recomposiçao corintiano funcionou. Acabou com a efetividade holandesa.

Para melhorar as coisas para os brasileiros, aos 23 minutos, Jadson bateu falta e Rodriguinho marcou. O gol deixou os holandeses mais irritados. Não conseguiram superar o sistema defensivo brasileiro, no primeiro tempo.

No segundo, o Corinthians trocou todos seus jogadores. Entraram os reservas. E tomou um enorme sufoco. Caíque fez grandes defesas. Até que faltando dez segundos para os 48 minutos, depois de uma confusão na área, Lammers empatou.

Destes últimos 45 minutos, Carille teve de mais proveitosa a atuação de Júnior Dutra, muito mais consciente do que Kazim.

Só que o ideal é a contratação de Henrique Dourado.

Nos pênaltis, 5 a 4 Corinthians.

No sábado, o time paulista encerra sua participação no torneio.

Enfrentará o Rangers, da Escócia.

Sonhando em já ter acertada a contratação de Dourado…

Os titulares do Corinthians voltaram bem. Mas Kazim é fraco demais Os titulares do Corinthians voltaram bem. Mas Kazim é fraco demais Divulgação