Esportes

Diego Souza já veio. Agora, Raí briga por Scarpa

Sport

Raí estava acossado. Precisava dar uma resposta imediata à perda de Hernanes. O golpe havia sido duro demais. Desde o primeiro dia como executivo de futebo do São Paulo, há exato um mês, ele tentava convencer a direção do Sport a baixar a pedida por Diego Souza. Mas os pernambucanos insistiam. R$ 10 milhões ou nada.

Com o jogador já estava tudo acertado. Salários, luvas e contrato de dois anos, com a possibilidade de um terceiro. Raí contava com a pressão de Diego Souza, sua firmeza em deixar Pernambuco, para baixar a pedida do Sport. E o clube paulista insistiu com R$ 6 milhões.

Só que o tempo foi passando e nada da negociação se efetivar. Diego Souza tinha contrato até o final deste ano com o clube de Recife. Raí ofereceu R$ 7 milhões. A resposta que ouviu várias vezes. "Quer levar? R$ 10 milhões." O executivo subiu para R$ 8 milhões no início da semana passada. O dinheiro não comoveu a diretoria nordestina.

Até que Hernanes foi embora para China, na última sexta-feira. E Raí sabe que ele não deverá voltar, tem mais dois anos de contrato, recebendo R$ 2 milhões mensais. A situação ficou pesada. Conselheiros cobrando, preocupados com a temporada. Para piorar, no sábado, Lucas Pratto assegurou ao executivo que, amanhã, o River Plate formalizará uma proposta por ele. E o argentino quer voltar a jogar em Buenos Aires.

Raí decidiu procurar Leco e conseguir a autorização para comprar Diego Souza. Oferecendo os R$ 10 milhões que o Sport tanto exigia pelos 45% dos direitos do jogador. O restante pertence ao Fluminense e aos empresários do atleta.

Aos 32 anos, Diego Souza acredita que terá mais chances de ir para a Copa do Mundo jogando no São Paulo. Mas ele tem muito a agradecer ao Sport. Lá ele se reinventou. Com a camisa com o número 87 nas costas, em alusão ao polêmico título brasileiro que o clube pernambucano sacramentou na justiça, ele foi peça importantíssima na melhor campanha do Sport no Brasileiro, a sexta-colocação em 2015.

Maior chance de disputar a Copa motivou Diego a vir para o São Paulo Maior chance de disputar a Copa motivou Diego a vir para o São Paulo Mowa

Voltou para o Fluminense no início de 2016. Encontrou o clube dominado por Fred. Se indispôs com o atacante e preferiu voltar para o Sport. Foi o artilheiro do Brasileiro. Suas atuaçoes chamaram a atenção de Tite. E o levaram à Seleção Brasileira. O meia já queria deixar Pernambuco. Negociou com o Palmeiras no ano passado. Só que o clube não quis pagar o que o Sport exiga. Primeiro, R$ 30 milhões, depois os mesmos R$ 10 milhões. Não houve acordo.

Dorival Júnior foi bem claro com Raí. Diego Souza pode jogar tanto como meia ou falso centroavante. Alegou que sua contratação seria fundamental com a saída de Hernanes e a possibilidade de perder Lucas Pratto.

Por isso, Raí promete não parar com Diego Souza. Negocia com Gustavo Scarpa. E está muito esperançoso. Espera que até quarta-feira possa anunciar a contratação do meia, que entrou na justiça contra o Fluminense. Pede R$ 9 milhões em atrasos e o desligamento do clube carioca.

A contratação de Diego Souza foi a maior da história do Nordeste, para clubes brasileiros. E já aliviou toda a tensão com a saída de Hernanes. Raí comemorou na noite deste domingo, como sua primeira vitória como dirigente.

Além de Diego Souza, Raí está muito otimista em relação a Gustavo Scarpa Além de Diego Souza, Raí está muito otimista em relação a Gustavo Scarpa Fluminense